Notícias

WEG anuncia Joint Venture para fabricação de aerogeradores

A WEG S.A. (Bovespa: WEGE3 / OTC: WEGZY) anunciou hoje a assinatura de Memorando de Entendimento e o Acordo de Transferência de Tecnologia com o Grupo M. Torres Olvega Industrial (MTOI).

O grupo M Torres foi fundado em 1975 para projetar, desenvolver e fabricar sistemas para processos de automação industrial e soluções para os setores de aeronáutica, papel e energia.

O acordo tecnológico da MTOI com a WEG resultará na criação de uma joint venture, com participação igualitária, para a fabricação, montagem, instalação e comercialização de aerogeradores e fornecimento de serviços de operação e manutenção, no Brasil.

"Essa parceria, além de nos possibilitar uma participação mais direta no negócio de geração de energia eólica, nos dará agilidade para atender a crescente demanda do mercado nacional", explica Harry Schmelzer Jr, Presidente da WEG. "Além disso, vários produtos da nossa linha como geradores, transformadores, inversores de freqüência, motores e tintas fazem parte do pacote completo que vamos fornecer", acrescenta.

A fabricação dos aerogeradores acontecerá inicialmente no parque fabril de Jaraguá do Sul/SC. O projeto deve apresentar suas primeiras unidades ainda esse ano. A previsão é de ter 250 novos colaboradores trabalhando diretamente na fabricação desses equipamentos.

A tecnologia desenvolvida pela MTOI permite que o gerador elétrico seja acoplado diretamente ao eixo da turbina eólica, não sendo necessária a instalação do multiplicador de velocidade, o que representa uma vantagem competitiva, pois reduz o número de componentes e consequentemente a possibilidade de problemas operacionais e de custos de manutenção. "Estamos entrando neste segmento com tecnologia moderna e comparável às melhores do mercado. Nosso parceiro já tem aerogeradores em operação na Europa há 10 anos", informa Newton M. Idemori, Diretor de Novos Negócios da WEG.

# # #

Afirmações sobre Expectativas Futuras

Algumas afirmações contidas neste comunicado podem ser projeções ou afirmações sobre expectativas futuras. Tais afirmações estão sujeitas a riscos conhecidos e desconhecidos e incertezas que podem fazer com que tais expectativas não se concretizem ou sejam substancialmente diferentes que era esperado. Estes riscos incluem entre outros, modificações na demanda futura pelos produtos da Companhia, modificações nos fatores que afetam os preços domésticos e internacionais dos produtos, mudanças na estrutura de custos, modificações nos mercados, mudanças nos preços praticados pelos concorrentes, variações cambiais, mudanças no cenário político-econômico brasileiro, nos mercados emergentes e internacional.

Última atualização em 
Close